O que é a apneia do sono?

A apneia do sono é uma doença em que a pessoa deixa de respirar por curtos períodos de tempo enquanto dorme.1 Isto impede que a pessoa tenha um sono descansado e uma vida energética e pode causar uma série de outros problemas de saúde. Embora não haja cura para esta doença grave, um tratamento noturno regular pode transformar, para melhor, os níveis de energia dos pacientes durante o dia e recuperar a sua saúde e qualidade de vida.2

O que é a apneia obstrutiva do sono (AOS)?

Assista ao nosso vídeo que, em apenas 3 minutos, explica o que é a AOS

O que acontece quando se tem apneia do sono?

O ar deixa de circular

Um episódio de apneia ocorre quando o ar deixa de circular para os pulmões durante dez segundos ou mais, o que significa que a pessoa deixa de respirar.

O cérebro dá sinais ao corpo

O cérebro envia um sinal para a pessoa acordar e respirar. A pessoa respira e volta a adormecer.

Ciclo de repetições

Estes episódios de apneia podem ocorrer centenas de vezes por noite e muitas pessoas com apneia do sono não sabem que isso está a acontecer.

Quais são os tipos de apneia do sono?

Há vários tipos diferentes de apneia do sono e todos têm causas diferentes. Felizmente, todos eles podem ser tratados.

  • A apneia obstrutiva do sono (AOS) ocorre quando os músculos e tecidos moles da garganta relaxam durante o sono e bloqueiam as vias respiratórias superiores. É muitas vezes acompanhada por ronco ou sopro. A AOS é o tipo mais comum de apneia do sono.3
  • A apneia central do sono (ACS) ocorre quando o cérebro deixa de enviar sinais aos músculos respiratórios durante o sono. As vias respiratórias continuam abertas, mas a respiração para. A ACS é mais rara que a AOS.
  • A apneia mista do sono é uma combinação de apneia central e apneia obstrutiva do sono.
  • A respiração de Cheyne-Stokes (RCS) é uma doença que causa respiração anormal durante o sono (geralmente respiração superficial seguida de respiração profunda, com apneia central intermitente).4

Todas estas perturbações são caracterizadas por apneia e hipopneia.

Uma apneia ocorre quando os músculos e tecidos moles da garganta relaxam e colapsam o suficiente para causar um bloqueio total das vias respiratórias que dura 10 segundos ou mais.

Uma hipopneia é um bloqueio parcial das vias respiratórias que resulta numa redução do fluxo de ar superior a 50% durante 10 segundos ou mais.5

Também pode deparar-se com o termo “distúrbios respiratórios do sono (DRS)”. Este termo descreve uma série de diferentes distúrbios respiratórios do sono, incluindo AOS, ACS, apneia mista do sono e RCS.

O que fazer em relação à apneia do sono?

Se pensar que poderá ter apneia do sono ou que uma pessoa sua conhecida poderá sofrer da doença, siga estes 6 passos:

Fale com o seu médico

Discuta com o seu médico os seus sintomas.

Saber mais

Faça um estudo do sono

O seu médico poderá recomendar que faça um estudo do sono para avaliar corretamente a situação e perceber o que se passa.

Discuta opções de tratamento

Se lhe for diagnosticada apneia do sono, o médico irá receitar-lhe terapia e os respetivos equipamentos.

Explorar a descrição geral do tratamento

Escolha bem o equipamento

A máscara para tratamento é uma das partes mais importantes da terapia, por isso, antes da consulta, pesquise as opções disponíveis.

Explorar máscaras

Comece a terapia

Não se esqueça de registar os seus novos produtos da ResMed para receber dicas sobre a terapia e muito mais. O nosso e-book gratuito “Introdução à terapia” será muito útil quando iniciar o tratamento.

Transferir o e-book agora

Quem sofre de apneia do sono e porquê?

É importante referir que qualquer pessoa pode ter apneia do sono – homens, mulheres e crianças. Esta doença está geralmente associada a:

● Vias respiratórias superiores estreitas

● Excesso de peso/obesidade6

● Historial de apneia do sono na família7

● Idade avançada8

● Alguns medicamentos sedativos9

● Beber álcool10, especialmente antes de dormir

Tabagismo11

Certas características físicas.6 Estas características incluem vias respiratórias estreitas, um maxilar inferior pequeno ou amígdalas, adenoides ou línguas grandes, ou congestão nasal causada por um desvio do septo ou pólipos nasais.

Menopausa12

A ACS e a apneia mista do sono são frequentemente causadas por quadros clínicos que afetam o tronco cerebral.

Referências

1. D.J., Abordagens fenotípicas para apneia obstrutiva do sono – Novos caminhos para terapia direcionada. Sleep Med Rev, 2018. 37: p. 45-59.
2. Campos-Rodriguez, F., et al., A pressão positiva contínua nas vias aéreas melhora a qualidade de vida em mulheres com apneia obstrutiva do sono. Um ensaio clínico randomizado. Am J Respir Crit Care Med, 2016. 194 (10): p. 1286-1294.
3. Muza, R.T., Avaliação clínica de apneia central do sono. J Thorac Dis, 2015. 7 (5): pág. 930-7.

4. Eckert, D.J., et al., Apneia central do sono: fisiopatologia e tratamento. Chest, 2007. 131 (2): p. 595-607.
5. Distúrbios respiratórios relacionados com o sono em adultos: recomendações para definição de síndrome e técnicas de medição em pesquisa clínica. O Relatório de um Grupo de Trabalho da Academia Americana de Medicina do Sono. Sleep, 1999. 22 (5): p. 667-89.
6. Deacon, N.L., et al., Tratamento da apneia obstrutiva do sono. Perspectivas para a terapia por modalidade combinada personalizada. Ann Am Thorac Soc, 2016. 13 (1): p. 101-8.
7. Casale, M., et al., Síndrome de apneia obstrutiva do sono: do fenótipo à base genética. Curr Genomics, 2009. 10 (2): pág. 119-26.
8. Ancoli-Israel, S., Apneia do sono em idosos – é real? Deve a idade ser o fator determinante na matriz de decisão do tratamento? Sleep Med Rev, 2007. 11 (2): p. 83-5.
9. Webster, L.R., et al., Respiração desordenada do sono e terapia com opióides. Pain Med, 2008. 9 (4): p. 425-32.
10. Referência: Scanlan et al. Efeito do álcool moderado na apneia obstrutiva do sono. Eur Respir J. 2000; 16
11. Wetter, D.W. e T.B. Young, A relação entre o tabagismo e os distúrbios do sono. Prev Med, 1994. 23 (3): p. 328-34.
12. Wimms, A., et al., Apneia obstrutiva do sono em mulheres: questões específicas e intervenções. Biomed Res Int, 2016. 2016: p. 1764837.

[myAir]
[myAir]