Sintomas e tratamento da DPOC

Em que consiste a DPOC? Saiba mais sobre as causas, as fases, o diagnóstico e o tratamento da doença pulmonar obstrutiva crónica.

O que é a doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC)?

 

A doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC) é um termo genérico que designa um grupo de doenças pulmonares progressivas que inclui principalmente bronquite crónica e enfisema. A doença provoca o estreitamento dos tubos brônquicos nos pulmões (por vezes denominados brônquios ou vias respiratórias) ou causa danos aos “sacos de ar” dos pulmões.

Os sintomas da DPOC incluem tosse frequente, aumento da falta de ar, pieira e aperto no peito¹. Embora a DPOC seja uma doença progressiva e (atualmente) incurável, com o diagnóstico e tratamento corretos, há muitas coisas que uma pessoa pode fazer para controlar a doença e respirar melhor. O tratamento pode incluir medicação, oxigenoterapia e ventilação não invasiva (VNI).

Com o tempo, a DPOC dificulta a respiração, porque as vias respiratórias ficam parcialmente bloqueadas, restringindo a circulação de ar para dentro e fora dos pulmões.

Quando isto acontece, a quantidade de oxigénio (O2) que chega ao sangue é menor, pelo que se torna mais difícil expelir o gás residual – o dióxido de carbono (CO2).


A DPOC engloba 2 doenças crónicas:

  • A bronquite crónica é uma inflamação persistente das vias respiratórias que provoca tosse persistente com secreção de muco.
  • O enfisema causa danos irreversíveis aos “sacos de ar” (alvéolos) do tecido pulmonar e provoca falta de ar.

Quais são as causas da DPOC?

A principal causa da DPOC é o tabagismo, sendo que a prevalência da DPOC é sensivelmente maior em pessoas que são ou foram fumadoras regulares em comparação aos não fumadores.2

Outros fatores de risco incluem a exposição à poluição atmosférica e a exposição a poeiras e produtos químicos no trabalho.3

Quais são os sintomas da DPOC?

DPOC-exacerbacao-sintomas-paciente

A DPOC geralmente demora anos a desenvolver-se. Os primeiros sinais podem ser falta de ar ao subir escadas ou ao realizar tarefas simples em casa. Como a respiração se torna difícil, a pessoa pode sentir-se constantemente cansada. Também pode ter tosse regular e acumulação de muco.
A poluição atmosférica, alergias, constipações e gripe podem causar crises de DPOC, também conhecidas como exacerbações agudas⁴. Se a pessoa for fumadora, também pode ter infeções pulmonares frequentes que podem levar a pneumonias.

Como é diagnosticada a DPOC?

O seu médico irá diagnosticar a DPOC (doença pulmonar obstrutiva crónica) com base nos seus sintomas, no seu historial clínico, num exame físico e num teste de respiração, também conhecido como espirometria.2

No exame de espirometria, o médico irá pedir-lhe que sopre para dentro de um tubo e irá registar as diferentes medidas de volume e pressão do ar à medida que expira. Alguns médicos também podem recomendar que faça uma radiografia ou uma tomografia computadorizada, para que possam examinar melhor os seus pulmões.

Em alguns casos, pode ser realizada uma análise ao sangue para avaliar os níveis de oxigénio (O2) e dióxido de carbono (CO2) no sangue.

Como é tratada a DPOC?

ventilação-nao-invasiva-em-casa-DPOC-medico-paciente

Embora atualmente não exista cura para a DPOC, existem tratamentos disponíveis que permitem aliviar os seus sintomas e retardar o seu desenvolvimento a longo prazo.
Os tratamentos recomendados podem incluir:

  • Deixar de fumar. Se é fumador, deixar de fumar é o melhor que pode fazer para retardar a progressão da DPOC. 5
  • Medicamentos. Podem incluir vários inaladores, esteroides e antibióticos para ajudar a tratar os sintomas e reduzir a frequência e gravidade das crises (também conhecidas como exacerbações agudas).5
  • Reabilitação pulmonar. Um programa que combina exercício e educação sobre a doença, que também pode ajudar a tratar os seus sintomas e a gerir melhor a DPOC. 5
  • Modificações nutricionais. Mudanças na alimentação podem ajudar algumas pessoas com DPOC a sentirem-se melhor. 5
  • Oxigenoterapia. No caso de pacientes com níveis inadequados de saturação de oxigénio no sangue (um quadro clínico conhecido como hipoxia), a oxigenoterapia pode ajudar. 5
  • Ventilação não invasiva. Adicionar suporte por ventilação não invasiva à terapia convencional pode reduzir a falta de ar e melhorar a frequência respiratória e a troca de gases no sangue. 5 Também pode melhorar a sua qualidade de vida.6

Referências:

    1. Sintomas e causas da DPOC, Mayo Clinic, atualizado a 11 de agosto de 2017, https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/copd/symptoms-causes/syc-20353679.
    2. Iniciativa Global para Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (GOLD). “Estratégia Global para o Diagnóstico, Gestão e Prevenção da DPOC, 2015.” (consultado a 9 de novembro de 2015) http://www.goldcopd.org/uploads/users/files/GOLD_Report_2015_Sept2.pdf
    3. Mannino DM e Buist AS. Carga global da DPOC: fatores de risco, prevalência e tendências futuras. The Lancet 2007: 370: 765‐773.
  1. Eisner MD et al. Uma declaração oficial de políticas públicas da American Thoracic Society: Novos fatores de risco e o fardo global da doença pulmonar obstrutiva crónica. Am J Respir Crit Care Med. 2010; 182 (5): 693-718.
  2. McKenzie DK et al. O Plano COPDX: Diretrizes da Austrália e da Nova Zelândia para a gestão da Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica, 2003. Med J Aust. 2003; 178 (6): S15-29.
  3. Köhnlein T et al. Ventilação não invasiva com pressão positiva contínua? para o tratamento da doença pulmonar obstrutiva crónica grave e estável: ensaio clínico prospectivo, multicêntrico, randomized e controlado. Lancet Resp Med 2014; 2: 698-705.
[myAir]
[myAir]